África Textil volta a produzir tecidos

O ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, garantiu que a instituição vai gerar cerca de dois mil postos de trabalho directos, quando estiverem a funcionar os três turnos.

A África Têxtil, uma companhia industrial situada em Benguela, volta a funcionar a partir de hoje.

A unidade fabril vai ser reaberta pelo Presidente da República, João Lourenço.

O ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, garantiu que os novos gestores estão obrigados a investir localmente na produção de matérias-primas.

O ministro da Indústria e Comércio descartou qualquer possibilidade de haver problemas relacionados com esta questão. “Eles estão obrigados, contratualmente, a produzir a matéria-prima no nosso país”, destacou, acrescentando que a ideia também passa por fomentar a geração de empregos no sector agrícola.

Numa primeira fase, disse, enquanto as condições para produzir a matéria-prima no país não estiverem criadas, a mesma será importada.

O ministro garantiu haver já algumas iniciativas de produção de algodão, cujos viveiros serão as províncias de Malanje, Cuanza-Sul e Cuanza-Noarte.

“A fábrica foi construída com tecnologia de ponta e, por isso, estamos muito confiantes que vai contribuir bastante para o desenvolvimento da indústria têxtil no nosso país”, frisou.

A empresa vai ser gerida, agora, pelo grupo Zimbabweano Baobab Cotton Group (BCG), que foi a empresa vencedora do concurso público. Victor Fernandes garantiu que o novo gestor da África Têxtil goza de prestígio, mérito, capacidade e experiência compravada no sector do algodão.

O governante informou que a fábrica necessita de cerca de 400 toneladas de matérias-primas por semana.

A reabertura da África Têxtil representa um investimento superior a 400 milhões de dólares.

Vantagens da África Textil em Angola

Victor Fernandes ressaltou que a entrada em funcionamento da fábrica vai beneficiar as pessoas que trabalham com tecidos, na medida em que terão a oportunidade de adquirílos já no país. 

“Quem pretender lançar-se, agora, ao negócio da comercialização ou até produção de ve stuário vai encontrar nesta fábrica um parceiro”, realçou.

No ano passado, durante a visita que o Presidente da República efectuou à fábrica Nova Textang II, no Cazenga, em Luanda, o secretário de Estado da Indústria, Ivan do Prado, disse que o país gastou, em 2019, 170 milhões de dólare s em roupa nova importada e 65 milhões em usada (fardo).

Para o governante, estes recursos poderiam ser poupados se as indústrias têxteis do país estivessem a funcionar em pleno. Ivan do Prado acrescentou que, com a reabilitação das três principais fábricas do país, as empresas privadas têxteis terão condições para produzir 20 milhões de peças de roupa por ano.

Na mesma ocasião, o Presidente da República disse que considerava “um crime deixar essas unidades paradas no estado em que estão”.

Fonte: Jornal de Angola

CONCORRA PARA BOLSA INTERNA 2021
COISAS QUE NUNCA DEVES FALAR NUMA ENTREVISTA DE EMPREGO
SAIBA 38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO

-CANDIDATE-SE AGORA NA AFRICELL ANGOLA
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego
-12 Empresas que Oferecem Estágios em Angola