Ministério da Saúde vai incluir a vacina contra à malária no calendário anual

O Ministério da Saúde (MINSA) vai incluir a vacina contra à malária no calendário anual de vacinação de crianças, anunciou, na quinta-feira, a directora nacional de saúde pública, Helga Freitas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, na quarta-feira, em Genebra, a aprovação da primeira vacina contra a malária e recomenda o seu uso generalizado em crianças da África Subsahariana e outras regiões com altas taxas de transmissão da doença.

A OMS indica que, no contexto do controlo abrangente da malária, a vacina RTS, S/AS01 seja usada para a prevenção da malária P. falciparum em crianças que vivem em regiões com transmissão moderada a alta.

Dados disponíveis indicam que a doença, em Angola, afectou, no primeiro semestre deste ano, 6 milhões de casos, dos quais  9 mil óbitos.

Dos casos registados, um milhão e 900 são de crianças até aos 5 anos de idade, que resultaram em 3 mil óbitos.

Helga Freitas, que falava no especial TPA, adiantou que as autoridades angolanas farão o necessário para contar com a vacina o mais rápido possível, como forma de se reduzir a taxa de prevalência da malária em Angola.

Segundo a especialista em saúde pública, a vacina representa um sentimento de esperança na redução da mortalidades infantil em Angola, tendo em conta que a malária afecta, principalmente, crianças até aos 5 anos de idade.

“A vacina será aplicado em crianças a partir dos 5 meses de idade, em quatro doses. Portanto, fará parte do calendário normal de vacinação”, reforçou a médica.

Helga Freitas reafirmou à necessidade de os cidadãos manterem a vigilância epidemiológica, com acções de saneamento básico para se combater os vectores transmissores da doença.

Por seu turno, o coordenador do Programa de Combate à Malária, José Franco Martins, afirmou que o uso da vacina vai reduzir o impacto nos internamentos hospitalares.

Na óptica do responsável, contribuirá para a redução de 40 por cento de casos malária simples, 30 por cento de malária grave, 60 por cento de malária grave associada à anemia, 30 por cento de redução de transfusão sanguínea e 40 por cento de hospitalizações.

José Franco Martins adianta que, com a aplicação da vacina, há uma previsão de apenas 4 em cada 10 crianças sejam internadas nas unidades sanitárias devido à malária.

A malária provoca, anualmente, a morte de mais de 260 mil crianças e constituiu um dos principais problemas de saúde pública no Mundo, em particular em África.

A OMS indica que a vacina contra a malária RTS, S/AS01 deve ser fornecida num esquema de 4 doses, em crianças a partir dos 5 meses de idade, para a redução da doença e da carga da malária.

Fonte: Angop
Ver artigo em: https://www.angop.ao/noticias/saude/minsa-preve-incluir-vacina-contra-malaria-no-calendario-de-vacinacao/

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego