Trabalhadoras no Bié reclamam por Direitos

Trabalhadoras domésticas pedem Cumprimento da lei

Segundo a Associação de Jovens Mulheres (ASSOJOM), muitos patrões desvalorizam o trabalho doméstico, com o pagamento de salários miseráveis.

Delfina Victorino | Cuito
Trabalhadoras domésticas na província do Bié defendem o cumprimento da Lei Geral do Trabalho e esperam que os seus direitos sejam assegurados pelas entidades patronais.
Segundo Joanisbel Xavier, líder da Associação de Jovens Mulheres (ASSOJOM), muitos patrões desvalorizam o trabalho doméstico, com o pagamento de salários miseráveis.

“O nosso objectivo é estabelecer um tecto máximo e mínimo de salários das trabalhadoras domésticas. Valorizar o seu trabalho é o objectivo da ASSOJOM”, afirmou.
A responsável associativa lembrou que “é difícil para algumas famílias” viver sem os serviços prestados pelas trabalhadoras domésticas, “tendo em conta a dinâmica e a exigência da sociedade”.

Joanisbel Xavier disse ainda que a maior preocupação da ASSOJOM está relacionada com a remuneração, sobretudo quando as profissionais ficam impossibilitadas de exercer a
sua actividade profissional, seja em caso de doença ou de aposentadoria.

A violação dos direitos das trabalhadoras domésticas quando estão em período de gestação e de pós-parto é outra das principais dificuldades identificadas.
“Muitas trabalhadoras domésticas não têm acesso a repouso suficiente durante a gravidez e depois do parto, tal como a Lei Geral do Trabalho prevê, realidade que
origina outros problemas de saúde”, destacou.

Com o objectivo de conhecer melhor as mulheres que trabalham como empregadas domésticas, a ASSOJOM vai efectuar um cadastramento com o objectivo final de garantir o acesso à segurança social (que poderá garantir o direito às pensões de reforma ou baixa médica, entre outros benefícios de protecção social).

Em entrevista ao Jornal de Angola, a dirigente associativa explicou que o processo está em andamento, com a recolha de dados sobre o número de mulheres nesta actividade e
o seu grau académico. 

“O trabalho de cadastramento será feito em todos os municípios da província do Bié. Mas o Cuito é o ponto focal da experiência piloto, tendo em conta a densidade populacional”, afirmou.

Maior procura
Desde o surgimento da Centralidade “Horizonte”, na cidade do Cuito, que a procura por trabalhadoras domésticas aumentou consideravelmente.
Elizabeth Alves, funcionária dos Serviços Prisionais na capital provincial, lembrou a importância das trabalhadoras domésticas no seu dia-a-dia. “Como funcionária pública fica difícilcuidar da casa durante os dias normais de expediente, por isso, a trabalhadora doméstica exerce um papel importante”, reconheceu.

A trabalhadora doméstica Maria do Rosário, de 38 anos, disse que exerce a actividade há vários anos no centro da cidade e manifesta-se preocupada com os baixos rendimentos que aufere.

Já Mizé da Fonseca, de 45 anos, trabalha na Centralidade “Horizonte”, onde cuida de uma família composta por quatro pessoas. O salário mensal é de apenas 20 mil kwanzas. A empregada doméstica explicou que está “descontente com o baixo salário”.

Diariamente, na Centralidade “Horizonte”, no Cuito, é visível um elevado número de trabalhadoras domésticas desempregadas, agrupadas em determinadas zonas da
urbanização, à procura de trabalho.

Fonte: Jornal de Angola

-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS

-50 PAÍSES QUE ANGOLANOS NÃO PRECISAM DE VISTO PARA VISITAR EM 2021
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
-CANDIDATE-SE AGORA NA AFRICELL ANGOLA

Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

OBS:

  • Se o contacto de Email ou link não estiver disponível, não existe ou falhar o envio, não é erro nosso, nem responsabilidade do Ango Emprego, (O Prazo de candidaturas pode ter terminado) os Empregadores é que são responsáveis pelos canais de Envio das Candidaturas.
  • As vagas divulgadas aqui são gratuitas se alguém cobrar para dar Emprego, por favor denuncie.