Bilionário crítico do regime chinês condenado a 18 anos de prisão

O bilionário do sector agrícola e crítico do Governo chinês Sun Dawu foi hoje, (28), condenado a 18 anos de prisão por vários crimes, informou um tribunal do norte da China.

28/07/2021 ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO 18H29

Sun Dawu © Fotografia por: DR
O julgamento do mediático empresário autodidacta, de 67 anos, e líder de um grupo especializado em agricultura, foi apontado pelos seus defensores como tendo sido de carácter político.

De acordo com um comunicado do Tribunal Popular de Gaobeidian, na província de Hebei, norte da China, Sun Dawu foi condenado a 18 anos de prisão e multado em 3,11 milhões de yuans (405.000 euros).

Sun foi acusado de “mineração ilegal”, “ocupação ilegal de terras agrícolas”, “obstrução do serviço público”, “aglomeração de multidões para agredir órgãos do Estado” ou “provocar distúrbios”. Esta última acusação costuma ser usada contra críticos do regime na China.

O magnata, familiares e funcionários foram presos, no final de 2020, após uma disputa de terras com uma quinta, propriedade do governo de Hebei.

Juntamente com a sua mulher, o empresário construiu uma das maiores empresas agrícolas da China, a partir de uma exploração com uns poucos frangos e porcos, nos anos 1980.

Também foi um firme defensor das reformas rurais e denunciou o devastador surto de gripe suína em 2019, publicando fotos de animais mortos, ante a lenta resposta das autoridades locais.

A sentença é uma das mais pesadas dos últimos anos contra um crítico do regime chinês. É igual ao infligido, no ano passado, a outro magnata, Ren Zhiqiang, condenado por corrupção.

Ren ousou comparar o Presidente chinês, Xi Jinping, a um “palhaço” pelo seu papel na luta contra a epidemia da Covid-19. Sun Dawu também criticou veementemente as autoridades pela sua gestão da pandemia.

Um crítico regular das políticas rurais, Sun Dawu pediu que os agricultores tivessem mais liberdade para se organizarem e protegerem os seus interesses económicos. Ilustrando a sensibilidade do seu julgamento, uma forte presença policial era visível perto do tribunal, de acordo com um vídeo compartilhado pelo advogado.

O julgamento “violou os padrões judiciais e os direitos dos acusados não foram garantidos”, lê-se num comunicado do seu advogado. Sun Dawu teve seu primeiro confronto com a lei em 2003.

Ele foi então condenado a quatro anos de prisão por “arrecadação ilegal de fundos”, após ser considerado culpado de arrecadar 13 milhões de yuans (1,7 milhão de euros à taxa actual) para o seu negócio, sem autorização do banco central.

Fonte: Platina Line
Ver artigo em: https://platinaline.com/bilionario-critico-do-regime-chines-condenado-a-18-anos-de-prisao/

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

Voos Turquia-Angola começam em outubro

Rota Instambul-Luanda abre em Outubro

As operações da companhia aérea da Turquia, Turkish Airlines, na rota Instambul-Luanda, abrem oficialmente em Outubro deste ano, anunciou, esta quarta-feira, em Ankara, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu.

A operadora pretende, inicialmente, realizar voos semanais na rota Instambul-Luanda, tendo em vista a dinamização da cooperação entre os dois Estados e povos.

De acordo com o governante, que falava à imprensa à margem do Fórum de Negócios Angola/Turquia, a iniciativa enquadra-se num memorando a ser assinado entre a Turkish Airlines e a Companhia Aérea Angolana (TAAG), em regime de partilha de códigos.

Segundo o ministro, esta partilha vai permitir que os passageiros, a partir de Luanda, possam de modo único ou bilhete único ter acesso à ligação para Instambul ou à rede de rotas da Turkish Arlines e vice-versa, beneficiando de ligação para a capital angolana.

“Pensamos que é um acordo muito positivo para os dois países e para as duas companhias aéreas, mas, acima de tudo, por ser o primeiro passo para abrirmos os caminhos dessa cooperação estratégica aqui anunciada pelos dois Presidentes”, expressou.

Em relação aos custos dos bilhetes, o ministro disse que cabe ao seu pelouro apenas assegurar a existência de um alto nível de competitividade para o país.

“Não é a primeira companhia, nem é a primeira companhia com a qual estamos a abrir as portas do nosso país, e isso permite haver várias opções para os nossos passageiros e cidadãos”, afirmou.

Ricardo de Abreu disse que, depois da entrada em funções desta nova rota, ficará resolvida a questão dos custos de ligação até a Turquia, por parte dos cidadãos.

Saudou a abertura competitiva do mercado, afirmando que se pretende assegurar mais ligações e oportunidades, com base num tarifário ajustado à realidade do país.

“Hoje, o curso de ligação até à Turquia, por parte dos cidadãos, é muito grande. A ligação directa encurta não só o tempo, como também o preço dessa mesma ligação”, reforçou.

Conforme o ministro, esse voo directo será muito importante para os empresários, os turistas e, acima de tudo, para potenciar os negócios referenciados em Ankara, sendo que, a nível do seu sector, se pretende estender a parceria para outras áreas.

Estão entre essas áreas a construção de infra-estruturas, particularmente na área ferroviária, que é crítica, afirmando haver sinais de algumas empresas fortes no domínio da gestão portuária, nas concessões em curso no mercado angolano.

Citou ainda o projecto de desenvolvimento da Barra do Dande Zona Franca, e o metro de superfície, cujo concurso será lançado em breve, para parceria pública privada.

” Eventualmente, vamos assinar nesta altura um acordo marítimo, uma vez que a Turquia tem um papel importante nas Europa e muitas capacidades marítimo e portuário”, disse.

Fonte: Platinaline
Ver artigo em: https://platinaline.com/rota-instambul-luanda-abre-em-outubro/
-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

As redes sociais e a comunicação social estão a ser utilizados para desacreditar o papel e a imagem da PN – Paulo de Almeida

O comandante-geral da Polícia Nacional (PN), Paulo de Almeida, denunciou a existência de certos “elementos negativos” que utilizam os meios de comunicação social e as redes sociais para “desacreditar o papel e a imagem da Polícia Nacional”.

Paulo de Almeida fez está denúncia na abertura do 1° Seminário Metodológico de Capacitação em Matérias de Comunicação no Instituto Superior de Ciência Policiais e Criminais (ISCPC) “Serra Van-Dúnem”, no município de Viana, em Luanda.

“Nos últimos anos, tem havido uma certa tendência em desacreditar o papel e a imagem da Polícia Nacional, talvez para enfraquecer à sua capacidade operacional, o seu sentido republicano e o seu papel de garante da ordem e da estabilidade pública”, disse Paulo de Almeida perante todos os directores dos gabinetes de comunicação institucional e imprensa da PN de todas às províncias de Angola.

“Muitas dessas acções são perpetradas por elementos negativos que utilizam os vários meios de comunicação social”, aponta, destacando que a comunicação “pode ser uma arma não letal e letal, para destruir e inviabilizar projectos e programas de desenvolvimento, porque a comunicação transforma mentes para o bem e para o mal”.

O Comissário-geral disse aos directores dos gabinetes de comunicação institucional e imprensa da PN que o Comando-Geral quer uma comunicação mais credível no ponto de vista ético, cívico e moral. “Queremos uma comunicação mais influente no resgate dos valores éticos, cívicos e disciplinares na elevação da moral e do patriotismo”, apelou, sublinhando que a corporação quer uma comunicação institucional “oportuna, pedagógica e desafiante”.

“Queremos bons comunicólogos para servirem de mensageiros da nobre missão policial.  É isso que pedimos e espero que os presentes neste seminário aproveitam este momento para reflectirem sobre o desempenho da nossa comunicação do seio da corporação”, avisou.

Na opinião do número um da Polícia Nacional, a corporação não pode admitir que existam efectivos incoerentes que utilizam às redes sociais e os órgãos de comunicação social para praticarem actos que atentam contra a ordem e a boa imagem da Polícia Nacional.

“A polícia deve ser uma entidade de valor moral, cultural, social e acima de tudo politico. O polícia é um comunicador nato pelas valências e autodidatismo que carrega… Temos que evoluir, a nossa forma e meios de comunicar”, apontou.

“É necessário que todos os comandos provinciais tenham área de comunicação e imagem desenvolvida e activa”, recomendou Paulo de Almeida, salientando que a PN, tem que abrir uma radio corporativa FM, para que as mensagens sejam permanentes e constantes, auditivas e sensibilizadoras.

“Temos que potenciar as equipas de reportagens para acompanharem o dia-dia da actividade policial. A educação patriótica não deve estar distanciada da comunicação e da imprensa, essa aliança deve ser constante e permanente”, finalizou.

Fonte: Novo Jornal
Ver artigo em: https://www.angonoticias.com/Artigos/item/68669/as-redes-sociais-e-a-comunicacao-social-estao-a-ser-utilizados-para-desacreditar-o-papel-e-a-imagem-da-pn-paulo-de-almeida

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

Pescas: detectadas mais de 50 infracções no primeiro semestre de 2021

As embarcações de pesca cometeram 55 infracções nos primeiros seis meses de 2021, com destaque para a pesca artesanal, informou esta quarta-feira (28), a directora do Serviço Nacional de Fiscalização Pesqueira, Maria Matos Mendes.

Maria Matos Mendes que falava à margem da conferência “Economia do Mar – As potencialidades da indústria pesqueira nacional”, que decorreu em Luanda, salientou que a maioria das multas aplicadas, no caso da pesca industrial, estava relacionada com a violação dos limites de capturas.

Houve também casos de omissão de dados, desligamento dos aparelhos de monitorização e falta de documentos, acrescentou em declarações à Lusa.

A maioria das infracções (38) foi detectada em embarcações de pesca artesanal, onde se registou um aumento das multas aplicadas face ao ano anterior.

Maria Matos admitiu que os incumprimentos estão, em parte, relacionados com alterações a nível das competências de licenciamento que foram transferidas para as administrações municipais, exigindo ainda alguma “adaptação”.

“Como alguns pescadores estão localizados em sítios distantes, usam esse argumento e acabam por nem sequer ir tratar dos documentos”, justificou.

A responsável da fiscalização afirmou que o departamento ministerial está a trabalhar na sensibilização dos pescadores para a necessidade de possuírem a documentação exigida por lei, mas também para o facto de usarem artes de pesca proibidas, que afecta sobretudo os juvenis.

“Há ‘patrocinadores’ que os incentivam, muitos dos quais estrangeiros, da República Democrática do Congo. Fazem a secagem e depois exportam o peixe, é um processo em que estamos a trabalhar junto com a polícia”, relatou.

Mara Matos considera que os meios não são suficientes, mas permitem fazer a fiscalização de forma minimamente organizada, adiantando que têm em carteira um projecto que engloba a aquisição de mais meios, a partir de 2022.

A conferência foi organizada pela revista Economia & Mercado e centrou-se na análise da economia do mar e o mar enquanto pilar para a diversificação económica de Angola, que oferece, além do petróleo principal fonte de receitas do PIB vários outros recursos e oportunidades de negócios para nacionais e estrangeiros.

Fonte: Jornal de Angola
Ver artigo em: https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/pescas-detectadas-mais-de-50-infraccoes-no-primeiro-semestre-de-2021/

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

BNA retira licença a oito instituições financeiras não bancárias

Segundo uma nota publicada hoje no seu site oficial, o BNA justifica esta medida que abrange oito instituições financeiras que não cumpriam as exigências da lei vigente que rege o sector.

Entre essas exigências, plasmadas no artigo 36.º, conjugado com o n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º 14/21, de 19 de Maio, estão, entre outras, não disporem de capital social inferior ao mínimo legal, cessar a sua actividade por período superior a seis meses ou mesmo definitivamente.

Esta a lista das instituições que viram revogada a sualicença divulgada pelo BNA

Dakota Transfer – Sociedade de Remessas de Valores, Lda

Microfund – Sociedade de Microcrédito, S.A;

Big One – Casa de Câmbios, Lda;

Platium – Casa de Câmbios, Lda

Moneta – Casa de Câmbios, Lda;

COOCREPF – Cooperativa de Crédito, S.A.;

Robinson – Casa de Câmbios, Lda; e,

PPCD – Sociedade de Microcrédito, Lda;

A Mão Solidária – Sociedade de Microcrédito, Lda viu reconhecida a caducidade da licença “pelo facto de não ter iniciado a sua actividade dentro do prazo legalmente estabelecido para o efeito”.

Fonte: Novo Jornal
Ver artigo em: https://novojornal.co.ao/economia/interior/bna-retira-licenca-a-oito-instituicoes-financeiras-nao-bancarias-103446.html

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

Ampla Frente para a Alternância em Angola – Adalberto diz que vai haver “grandes novidades” em Agosto

Ampla Frente para a Alternância em Angola vai mesmo avançar – Adalberto Costa Júnior diz que vai haver “grandes novidades” em Agosto

Será desta que Eduardo dos Santos volta a Angola?

O regresso de José Eduardo dos Santos a Angola tem sido várias vezes anunciado. O próprio Radar África já deu conta, em junho deste ano, de que a viagem do antigo chefe de Estado para Luanda estaria para breve, mas o cenário nunca se materializou.

Agora, a possibilidade volta a ser colocada com insistência. Segundo informações que circulam em meios restritos, baseadas numa convicção que terá sido transmitida pelos próprios familiares, José Eduardo dos Santos deverá, finalmente, viajar para Angola nas próximas semanas.

O ex-presidente da República ausentou-se do país em abril de 2019 e ao longo dos dois últimos anos tem permanecido quase sempre em Barcelona. A exceção foi uma estada no Dubai, entre dezembro de 2020 e abril de 2021, a qual serviu para dar apoio à filha primogénita, Isabel dos Santos, após esta ter pedido o marido, Sindika Dokolo, num acidente de mergulho.

O regresso de José Eduardo dos Santos marcaria o fim de um exílio autoimposto, uma condição extensiva a outros membros da família. Isabel dos Santos, que mantém uma disputa judicial com o governo angolano, está a residir no Dubai, enquanto Tchizé dos Santos tem passado o seu tempo dividida entre o Reino Unido e Portugal. Já o filho, José Filomeno dos Santos, antigo líder do Fundo Soberano, foi condenado em agosto de 2020 a cinco anos de prisão pelos crimes de burla e defraudação, peculato e tráfico de influências, tendo apresentado recurso da sentença.

Reconhecimento do poder efetivo

Os planos de José Eduardo dos Santos – que festejará o 79º aniversário a 28 de agosto – são uma incógnita, mas a sua capacidade de influenciar o MPLA é cada vez mais reduzida e o partido irá reforçar o poder do Presidente em exercício, João Lourenço, no congresso ordinário marcado para dezembro deste ano.

Todavia, uma reaproximação passará sempre pela imperiosidade de José Eduardo dos Santos reconhecer o poder efetivo do atual Presidente. Nos últimos meses, Isabel dos Santos fez um interregno nos ataques ao governo angolano, circunstância que poderá contribuir para aliviar as tensões entre a família Dos Santos e o chefe de Estado. Eduardo dos Santos tem visto o número dos seus apoiantes minguar, a tal ponto que apenas os generais Hélder Vieira Dias (Kopelipa) e Leopoldino Fragoso do Nascimento (Dino) se mantêm como indefetíveis.

Em todo o caso, o regresso do antigo líder a Angola terá um tremendo impacto político e todos os seus atos serão escrutinados com minúcia. José Eduardo dos Santos poderá contribuir para apaziguar o MPLA, unindo o partido para as eleições gerais do próximo ano, ou, em caso de distanciamento de João Lourenço, ajudar a UNITA de Adalberto da Costa Júnior a ganhar ainda mais protagonismo.

Fonte: Negócios (Celso Filipe)
Ver artigo em: https://www.angonoticias.com/Artigos/item/68659/sera-desta-que-eduardo-dos-santos-volta-a-angola

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

CFB implementou Serviços de Cartões Electrónicos

O Caminho de Ferro de Benguela (CFB) implementou os serviços de cartões electrónicos, com vista a facilitar o processo de pagamento aos passageiros que viajam a bordo do comboio expresso especial entre Lobito-Luena e vice-versa.

Em declarações hoje à ANGOP, aquando da chegada ao Luena do comboio expresso especial vindo do Lobito, o porta-voz do CFB, António Ungulo, disse que o referido serviço facilita os passageiros a efectuar o carregamento dos cartões com valores monetários e utilizá-los sempre que desejarem viajar.

“Após a obtenção do cartão, o passageiro realiza o número de viagens de acordo com o carregamento que efectuar, sem preocupar-se fazer pagamentos do bilhete durante um determinado período”, esclareceu.

Segundo o responsável, este é um serviço que está a ser ensaiado com perspectivas de se implementar nos outros comboios.

Quanto à chegada do comboio expresso especial ao Luena, por volta das 10 horas, com um atraso de 7 horas do previsto, disse que correspondeu com as expectativas dos passageiros, não obstante a demora causada devido à realização de testes de Covid19 nas estações.

Disse que nesta primeira viagem, o comboio, que conta com oito carruagens do tipo camarote, transportou 110 passageiros, dos 144 da sua capacidade.

Em relação aos preços dos bilhetes, disse que a empresa não prevê fazer qualquer aumento, continuando a cobrar seis mil e 500 kwanzas para o troço Lobito/Huambo, Kz oito mil do Lobito ao Kuito (Bié) e 15 mil e 350 kwanzas do Lobito ao Luena (Moxico).

Partindo da estação do Huambo até ao Kuito, o CFB vai cobrar cinco mil kwanzas, do Huambo para o Luena Kz 12 mil e 350, enquanto, do Kuito para o Luena, o bilhete vai custar Kz dez mil e 850.

Na ocasião, os passageiros João Alberto e Albertina Cassoma destacaram o conforto encontrado no interior do comboio, aliado às paisagens observadas ao longo da viagem.

Os comboios terão duas frequências semanais, sendo uma a segunda-feira e o retorno a quarta-feira, escalando apenas as estações do Huambo, Kuito e Luena.

Fonte: Angop
Ver artigo em: https://www.angop.ao/noticias/economia/cfb-implementa-cartoes-electronicos/

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

Angola e Namíbia criam posto aduaneiro único na Santa Clara

Luanda – Os governos de Angola e da Namíbia estão em negociações avançadas, a fim de constituírem o primeiro Posto Aduaneiro de Paragem Única, junto ao Posto Fronteiriço de Santa Clara, no quadro da materialização do Comité de Gestão Coordenada de Fronteiras (CGCF).

A informação foi avançada, hoje, pela ministra das Finanças, Vera Daves, que falava no primeiro encontro de trabalho dos titulares dos departamentos ministeriais que compõem o CGCF.

Na ocasião, informou que depois dessa localidade do município de Namacunde, província do Cunene, serão estabelecidas outras unidades afins noutras zonas fronteiriças do país, como Massabi (Cabinda) e Luvo (Zaire).

No caso de Santa Clara, disse que o projecto de acordo bilateral se encontra na fase de contribuições das instituições nacionais ligadas à matéria legislativa.

Vera Daves explicou que, para uma implementação assertiva, se pretende determinar as questões chaves sobre a liderança da gestão coordenada das fronteiras entre as instituições nacionais, como um elemento fundamental para disciplinar e orientar as acções a nível local.

A governante angolana, que é também coordenadora do CGCF, disse que é objectivo do projecto alocar os recursos financeiros necessários para a sua operacionalização, mediante a construção de infra-estruturas adequadas, selecção de recursos humanos qualificados e devidamente treinados.

Desta feita, o país materializa os compromissos assumidos perante as organizações e instituições internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), Organização Mundial das Alfândegas (OMA), Organização Mundial do Comércio (OMC), a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), dentre outros.

Essas organizações recomendam a adopção de instrumentos de facilitação de comércio, dotando os serviços aduaneiros de mecanismos que promovam parcerias para melhorar o tempo de desembaraço aduaneiro, processamento das mercadorias e questões migratórias associadas.

Vera Daves salientou no encontro que, em Angola, o processo de feitura da legislação de apoio à implementação já teve o seu início e conta com a participação de todos os departamentos ministeriais com proficiência nas questões fronteiriças.

Na elaboração do projecto, prosseguiu, levou-se em consideração as atribuições e responsabilidades de cada órgão membro, pois, “cada órgão dispõe de políticas e estratégias de gestão fronteiriça próprias e se ocupa dos processos conforme atribuições estatutariamente estabelecidas”.

Ainda assim, disse ser inevitável e indispensável uma estreita cooperação entre as diferentes instituições que actuam nas fronteiras e nos Estados vizinhos, com vista a tornar o sistema de gestão fronteiriça eficiente e eficaz a nível local, nacional, regional e internacional, e garantir a facilitação do comércio lícito.

O projecto de diploma prevê, dentre outros aspectos, a existência de uma Unidade de Coordenação Central da Gestão Coordenada de Fronteiras, que deverá orientar as acções conjuntas terrestres, marítimas, aéreas, fluviais e lacustres, para prevenir e reprimir qualquer tipo de criminalidade fronteiriça ou transfronteiriça.

A mesma Unidade é orientada a promover a partilha prévia dos planos de alerta e de contingência para uma actuação célere e coordenada entre as respectivas entidades operacionais e promover a cooperação contínua entre os órgãos de fronteira e os Estados vizinhos.

Para a ministra, a nível da SADC, a Gestão Coordenada de Fronteiras assume o importante desafio de realizar acções conjuntas de fiscalização para garantir o cumprimento da legislação aplicável ao controlo fronteiriço que consiste em fiscalizar o movimento de veículos automóveis e de pessoas ao longo das fronteiras.

“É chegado o momento de tornar verdadeiramente operacional o Comité de Gestão Coordenada de Fronteiras, razão pela qual realizamos hoje esta reunião de trabalho, para, entre outros aspectos, serem aprovadas as regras para o seu funcionamento e para serem apresentados e empossados os membros do seu Secretariado Central”, apontou.

Com este primeiro encontro do CGCF põem-se em prática a sua materialização, após cerce de dez anos de trabalho, em torno dos seus processos.

O Decreto Executivo Conjunto Nr. 125/11, de 22 de Agosto de 2011, estabelece a cooperação institucional entre os órgãos incumbidos das missões policiais, migratórias e aduaneiras, destacadas nos diferentes perímetros fronteiriços dos países, lançando assim as bases para a implementação deste conceito de gestão coordenada de fronteira.

Já o Decreto Presidencial nº 234/20, de 16 de Setembro, oficializa a criação do Comité de Gestão Coordenada de Fronteiras e o seu Regulamento, que prevê significativas melhorias na actuação conjunta de todos os órgãos, nos campos administrativos e operacionais, garantindo a eficiência ao nível nacional, regional e internacional.

Neste primeiro encontro foram aprovados o cronograma de actividades para o ano 2021/2022, as regras de funcionamento do CGCF, assim como tomou posse o seu secretário central do referido comité, Bráulio Fernandes.

Fonte: Angop
Ver artigo em: https://www.angop.ao/noticias/economia/angola-e-namibia-criam-posto-aduaneiro-unico-na-santa-clara/

-10 PIORES ERROS COMETIDOS POR ANGOLANOS AO ENVIAR O CURRÍCULO
-QUER TRABALHAR NA ZEE (ZONA ECONÓMICA ESPECIAL)-COMO SE CANDIDATAR
-12 EMPRESAS QUE OFERECEM ESTÁGIOS EM ANGOLA
65 Modelos de Currículos: Baixar e Preencher no Word GRATIS
38 IDEIAS DE NEGÓCIOS PARA SE FAZER EM ANGOLA COM POUCO DINHEIRO
50 PERGUNTAS MAIS FEITAS EM ENTREVISTA DE EMPREGO
Saiba 7 coisas que nunca deves FALAR numa Entrevista de Emprego

Desmentido encerramento de cursos nos Magistérios

O secretário de Estado para o Ensino Secundário, Gildo Matias, afirmou, ontem, em Luanda, que Ministério da Educação não orientou o encerramento dos cursos de Matemática, Biologia, Química e Física, nas escolas de formação de professores.

Esclarecendo o mal entendido que se gerou na sequência de uma entrevista que concedeu à Rádio Nacional de Angola, acrescentou que, para este ano lectivo, vai haver, apenas, a suspensão de ingresso de novos estudantes nos referidos cursos. 

Segundo Gildo Matias, o Ministério da Educação e as escolas vão preparar melhor as condições para que se possa receber novos alunos nos referidos cursos.
“Estamos a falar de vinte e cinco cursos de Matemática, Física, Biologia e Química, que não vão receber novos alunos”, referiu Gildo Matias.

Acrescentou que os alunos que no ano passado estavam a frequentar  a 10ª vão continuar a frequentar esses cursos, podendo transitar para a 11ª, 12ª ou 13ª classes.  
Deu a conhecer que existem no país 102 Magistérios Primários, vocacionados à formação de professores de nível secundário, que ministram 84 cursos nas especialidades de Matemática-Física e Biologia-Química.

Gildo Matias garantiu que, até ao final deste ano, vão ser instalados quarenta e oito laboratórios de Química, Física e Biologia, para permitir a formação qualificada de professores.

“Suspender, não abrir novas vagas, não é o mesmo que encerrar, porque encerrar significaria que os estudantes que já estão na escola deixavam de ter oportunidade de continuar a sua formação”, explicou, adiantando que nos restantes cursos, mais de cinquenta, o processo de inscrição começou segunda-feira.